Blog

27/06/2016
|

Relação X Ralação

Relacionar-se de forma comprometida e madura, em alguns momentos, é desafiador. Usando o trocadilho, a relação pode virar uma “ralação”. Por essa razão surgiram tantas propostas para tornar nossa comunicação, interação e vida a dois mais amorosas e suaves. Afinal, relacionar-se, em algum momento, também significa “ralar”, encontrar nossa própria sombra. É, ainda, um caminho de evolução que pode ter suas partes doloridas. Algumas das maiores forças que empurram um relacionamento para o ralador são: apego, vitimização e projeção.

1 – Apego: quando você se prende a quem o outro foi

parte mais difícil é o apego ao outro estático. Ou seja, queremos que a pessoa parceira se comporte e reaja para sempre de uma forma positiva e previsível. Por exemplo: tenho apego ao que meu namorado era no primeiro mês de namoro. E o homem que ele se tornou hoje sempre é comparado com aquele menino inicial (Que injustiça!). Sou eu a mesma mulher? Em tantas coisas eu sou outra também. Somos metamórficos, estamos em constante evolução. E isso é desejável.

Então, mapeio aqui o apego ao outro do passado como sendo um veneno nocivo para um relacionamento. Desapega! E olhe todas as vezes para seu par com um olhar fresco, como se fosse a primeira vez. Ele não merece ser rotulado. Assim como você também não gostaria de sempre ser enxergado e comparado com suas atitudes passadas. É muito desagradável quando as pessoas pré-conceituam todas as nossas reações, deixando de dar a atenção devida e ter a troca mágica do momento inédito acontecendo agora.

2 – Vitimização: você acha o outro culpado pela sua infelicidade?

A vitimização é um tópico óbvio e clássico. Isso é “autorralação”, ou seja, significa esfregar um ralador no próprio coração. Eu estou em um relacionamento por escolha. Sim, pode ser uma escolha difícil de largar, o outro pode vacilar muito. Mas eu escolho estar aqui e agora…

(continua)

Se você tem interesse em ler este texto na íntegra, clique aqui.